Tiro Esportivo

Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CPB

Paradens Tiro Esportivo
Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CPB

O Tiro Esportivo é a prova mais árdua em controle de acurácia. A modalidade esteve presente em todos os Jogos Paralímpicos desde 1976 e, atualmente, é praticada em mais de 75 países.

No tiro esportivo paralímpico, os atletas com deficiência física competem no rifle, pistola e carabina. Nesse esporte de precisão, os atletas utilizam concentração e controle da respiração para reduzir a frequência cardíaca, aumentando a estabilidade e performance. Essa habilidade de estabilizar mão e mente para realizar uma sequência de tiros requer um poder de concentração e controle emocional altamente desenvolvidos.

Os atletas competem nas distâncias de 10m, 25m e 50m, nas categorias masculina, feminina e mista.

Das 13 provas paraolímpicas, sete são abertas para mulheres e homens, três são apenas femininas e outras três apenas para homens.

A Federação Internacional de Tiro Esportivo Paralímpico (World Para Shooting) adotou, recentemente, a disciplina da carabina e novas classes esportivas, tanto para a carabina quanto para a classe de deficiência visual.

O tiro esportivo paralímpico segue as regras da Federação Internacional de Tiro Esportivo (ISSF) em conjunto às regras e regulamentos da federação paraolímpica (World Para Shooting), que leva em consideração especificidades dos atletas com deficiência.

A modalidade é administrada pela Federação Internacional de Tiro Esportivo Paralímpico (World Para Shooting) sob governança do Comitê Paralímpico Internacional (IPC). Em 2010, o IPC e a ISSF assinaram um Memorando de Entendimento de cooperação, trabalhando em conjunto para desenvolver o esporte. O memorando cobre diversas áreas, incluindo gestão, promoção de competições, troca de conhecimento e capacitação dos oficias técnicos.

Paradens Tiro Esportivo
Foto: Marcio Rodrigues/MPIX/CPB
Paradens Tiro Esportivo
Foto: Cezar Loureiro/MPIX/CPB

Sistema de Classificação

No Tiro, existem sete classes esportivas diferentes para atletas com deficiência física e deficiência visual. 

A classificação dos atletas é feita de acordo com o equilíbrio, a mobilidade dos membros, a força muscular e o grau de funcionalidade do tronco. Atletas com diferentes tipos de deficiência podem competir juntos. Dependendo da classe, os atletas podem usar um suporte para a arma.

Classe no Tiro Esportivo Elegibilidade
Deficiência Física
SH1 (Pistola) Esta classe esportiva é destinada a atletas com deficiência de membros superiores e / ou inferiores para competição em eventos de Pistola.
SH1 (Rifle) Esta classe esportiva é destinada a atletas com deficiência de membros inferiores para competição em eventos de rifle.
SH2 (Rifle) Esta classe desportiva destina-se apenas a eventos de rifle e destina-se a atletas com comprometimento dos membros superiores (o que exige que usem um suporte de tiro para apoiar o rifle), tudo ou não em combinação com comprometimento dos membros inferiores.
SG-S (Trap) Atletas com pouco equilíbrio e / ou estabilidade do tronco, competindo em uma cadeira de rodas em uma posição sentada padrão. Atletas apresentam comprometimento do (s) membro (s) inferior (es), mas nenhuma limitação funcional dos membros superiores.
SG-L (Trap) Atletas com bom equilíbrio e função de tronco, competindo em pé. Atletas apresentam comprometimento do (s) membro (s) inferior (es), mas nenhuma limitação funcional dos membros superiores.
SG-U (Trap) Atletas com bom equilíbrio e função de tronco, competindo em pé. Os atletas têm uma deficiência no braço não atirador.
Deficiência Visual
SH-VI (Rifle) (B1) Cegueira total - Acuidade visual menor que 2.6 LogMAR
(B2) Cegueira Parcial (baixa visão) - Acuidade visual entre 1.5 a 2.6 LogMAR, e/ou campo visual entre 0 a 10°.
(B3) Cegueira Parcial (baixa visão) - Acuidade visual entre de 1.0 a 1.4 LogMAR, e/ou campo visual definido entre 10° e 40°.

Site das Confederações