Bocha

Foto: Daniel Zappe/EXEMPLUS/CPB

Paradens Bocha
Foto: Marcelo Regua/MPIX/CPB

A Bocha foi praticada por muitos anos como uma atividade de lazer antes de ser apresentada nos Jogos Paralímpicos de Nova York em 1984 como um esporte competitivo. Uma curiosidade sobre a modalidade é que ela é um dos dois esportes paralímpicos que não têm uma contrapartida olímpica, sendo o outro o goalball.

A Bocha é um jogo de estratégia e precisão originalmente projetado para ser jogado por pessoas com paralisia cerebral. Atualmente, o esporte inclui atletas com deficiências que afetam severamente as habilidades motoras. O esporte é praticado em uma superfície plana e lisa, onde os jogadores devem lançar ou rolar bolas coloridas o mais próximo possível de uma bola-alvo branca, conhecida como “jack”. O jogador, par ou equipe com mais bolas perto da bola branca será o vencedor.

As partidas individuais e de duplas consistem em quatro parciais, enquanto as partidas por equipe têm um total de seis parciais. Após cada parcial, o atleta, dupla ou equipe com a bola mais próxima do alvo recebe um ponto e um ponto adicional será computado para cada bola que estiver mais perto do alvo em relação a de seu oponente. Cada atleta, dupla ou equipe terá um conjunto de seis bolas a serem jogadas por rodada.

A Bocha é administrada pela Federação Internacional de Bocha (BISFed).

Paradens Bocha
Foto: Alaor Filho/MPIX/CPB
Paradens Bocha
Foto: Daniel Zappe/EXEMPLUS/CPB

Sistema de Classificação

A bocha é dividida em quatro classes, BC1 a BC4, onde todos os jogadores competem em cadeiras de rodas devido a graves problemas de coordenação que afetam pernas e braços.

Classe na Bocha Elegibilidade
BC1 Tem limitações graves de atividades que afetam suas pernas, braços e tronco e, normalmente, dependem de uma cadeira de rodas motorizada.
BC2 Tem melhor função de tronco e braço do que aqueles da classe BC1. As habilidades de seus braços e mãos geralmente permitem que eles joguem a bola por cima e por baixo e com uma variedade de pegadas.
BC3 Tem limitações significativas nas funções dos braços e pernas e controle insuficiente ou nenhum controle do tronco. Eles são incapazes de agarrar ou soltar a bola de forma consistente e de impulsionar a bola de forma consistente para o campo de jogo e podem usar uma rampa com a ajuda de um Assistente Desportivo.
BC4 São jogadores com qualquer outro quadro de origem não cerebral, como distrofia muscular progressiva, esclerose múltipla, lesão medular com tetraplegia, etc.

Site das Confederações