Atletismo

Foto: Ale Cabral/CPB

Foto: Daniel Zappe/Exemplus/CPB
Foto: Daniel Zappe/Exemplus/CPB

O Atletismo é o maior esporte dentro do Movimento Paralímpico em termos de número de atletas e países participantes. Foi um dos oito esportes incluídos nos primeiros Jogos Paraolímpicos de Roma, Itália, em 1960 e permanece no programa desde então, atraindo de forma consistente as maiores multidões e audiências da TV.

A primeira competição de atletismo foi realizada em 1952, quando vários atletas com lesão medular competiram em provas de lançamento de dardo como parte dos Jogos de Stoke Mandeville, que serviram a veteranos feridos da Segunda Guerra Mundial.

Nos Jogos Paralímpicos de Roma 1960, a competição de atletismo contou com 31 atletas (21 homens e 10 mulheres) de 10 países que participaram de 25 eventos de medalha. Os atletas competiram em arremesso de peso, dardo, dardo de precisão e club. Houve também um evento de medalha no pentatlo masculino que inclui arco e flecha, natação, dardo, arremesso de peso e club. A Itália liderou o quadro de medalhas com 32 medalhas. Maria Scutti conquistou 11 medalhas pelo país-sede, incluindo nove medalhas de ouro.

Nos Jogos Paraolímpicos Rio 2016, a competição atraiu 1.147 atletas de 147 países, nos cinco continentes. O esporte contou com 357 horas de transmissão na TV, atingindo uma audiência acumulada de 673 milhões de pessoas. Outros 23,4 milhões de pessoas foram alcançadas pelos canais de mídia social do esporte.

Oferecido para atletas dos gêneros masculinos e femininos em todos os 10 grupos de deficiência elegíveis, o Para atletismo possibilita uma ampla gama de oportunidades de competição. Isso inclui os Jogos Paralímpicos, que são realizados a cada quatro anos, os campeonatos mundiais e juvenis de forma bienal e os campeonatos regionais como o parapanamericano que ocorre num intervalo quadrienal.

Desde 2013, é realizado um circuito anual de competições, cada etapa do Grand Prix ocorre em países ao redor do mundo e, a partir de 2016, os atletas em cadeiras de rodas competem como parte da série World Marathon Majors.

Paradens Atletismo
Foto: Daniel Zappe/Exemplus/CPB
Paradens Atletismo
Foto: Ale Cabral/CPB

Os atletas competem de acordo com sua classificação específica do esporte em cada evento. Alguns utilizam cadeiras de rodas e outros com próteses, enquanto os atletas com deficiência visual são apoiados por um atleta guia. Para aumentar ainda mais o número de atletas com alta necessidade de apoio, a disciplina de RaceRunning (Petra) foi incluída nos eventos mundiais de desde o início de 2018.

O atletismo é atualmente praticado por atletas em mais de 130 países.

Atualmente, o World Para Athletics, sob a governança do Comitê Paraolímpico Internacional, atua como a federação internacional do esporte.

Foto: Daniel Zappe/Exemplus/CPB

Sistema de Classificação

O sistema descreve métodos para dividir os atletas elegíveis em classes esportivas. O objetivo é que cada classe seja composta por atletas com deficiências que causem aproximadamente a mesma quantidade de limitação de atividade nas principais disciplinas atléticas – corrida, corrida em cadeira de rodas, saltos e arremessos.

Existem 10 tipos de deficiência elegíveis: oito deficiências físicas, bem como deficiência visual e deficiência intelectual.

Os que disputam provas de pista (velocidade, meio fundo, fundo e saltos) e de rua (maratona), levam a letra T (de track) em sua classe. Já os atletas que fazem provas de campo (arremessos, lançamentos) são identificados com a letra F(field) na classificação.

Classe no Atletismo Elegibilidade
Deficiência Física
T31 a T38/ F31 a F38 Paralisados cerebrais (31 a 34 para cadeirantes: 35 a 38 para andantes)
T40 e T41/ F40 e F41 Anões
T42 a T44 Deficiência nos membros inferiores
T45 a T47 Deficiência nos membros superiores
T51 a T54 Competem em cadeiras de rodas
T61 a T64 Amputados de membros inferiores com prótese
F42 a F46 Amputados ou deficiência nos membros superiores ou inferiores (F42 a F44 para membros inferiores e F45 a F46 para membros superiores)
F51 a F57 Competem em cadeiras de rodas (sequelas de poliomielite, lesões medulares, amputações)
Deficiência Visual
T11/F11, T12/F12 e T13/F13 Atletas com cegueira total ou com baixa visão. Para serem elegíveis, os atletas têm menos de 10 por cento de acuidade visual restante ou um campo visual restrito a 40 graus de diâmetro.
Deficiência Intelectual
T20/F20 Os atletas desta classe apresentam deficiência intelectual que impacta nas atividades de corrida (400m - maratona), salto (salto em distância e salto triplo) ou arremesso (arremesso de peso).

Para os atletas com deficiência visual, as regras de utilização de atletas-guia e de apoio variam de acordo com a classe funcional. Nas provas de 5000m, de 10.000m e na maratona, os atletas das classes T11 e T12 podem ser auxiliados por até dois atletas-guia durante o percurso (a troca é feita durante a disputa). No caso de pódio, apenas o atleta-guia que terminar a prova recebe medalha.

Site das Confederações